A Viola no Brasil

    Como uma associação que tem por objetivo fomentar a troca de informações concernentes aos diferentes âmbitos da atuação dos violistas, além de promover ações de integração dessas práticas, desejamos também resgatar e fazer conhecer a "trajetória" de nosso instrumento no Basil.

     A Associação Brasileira de Violistas agradece a todas as pessoas e instituições que podem colaborar para enriquecer esse conteúdo histórico relacionado à atuação de violistas que contribuíram para consolidar a viola no Brasil. Estamos desenvolvendo um trabalho amplo, realizado com muita dedicação e contando com o apoio de toda a comunidade.

      

     Quando se pensa em patrimônio, a primeira ideia normalmente se relaciona às edificações, porém hoje mais do que nunca, o material humano por trás dos edifícios culturais é visto com o mesmo grau de importância.  Dentro desse viés, pretendemos apresentar um panorama da evolução da prática da viola no país por meio da biografia de seu expoentes, de forma a garantir a preservação destas importantes memórias. Expandindo essa ideia temos por projeto construir também um diretório com todos os violistas atuantes no país, que sirva de referência para consulta no Brasil e em outros países.

       

     Dando início ao projeto, apresentaremos um pouco da vida dos 3 violistas homenageados na gênese da ABRAV: George Kisely, Bela Móri Perez Dworecki e também de nosso querido Ricardo Kubala, falecido recentemente e que, além de referência em excelência, foi membro bastante atuante desta associação. Estes grandes artistas foram de extrema importância para a difusão do instrumento, atuando como instrumentistas, cameristas e professores e contribuindo para o aumento substancial na produção, execução e pesquisa do repertório original para viola em nosso país.